Escolha uma Página

Perdi um dente. E agora?

Inúmeros são os motivos que podem levar a perda de um ou mais dentes.

Dentre eles, podemos citar:

  • Trauma dentário;
  • Doença cárie;
  • Doença periodontal;
  • Agenesia (quando não desenvolve o dente);
  • Síndromes;
  • Má-higiene oral.

O que é importante salientar é que a reposição deste dente é, sim, muito importante e necessária. O dente, quando em boca e de maneira saudável, tem a raiz como a estrutura que o liga à estrutura óssea, seja na arcada superior (maxila), quanto da arcada inferior (mandíbula).

A tendência é que com o passar dos anos, desde que haja os devidos cuidados, o dente apresente uma boa estabilidade sem grandes alterações na sua estrutura, bem como a estrutura adjacente (osso e gengiva).

Este dente, uma vez perdido, ocasionará algumas manifestações na arcada e, por isso, a sua recuperação se faz tão necessária o mais breve possível.

Quando perdido um ou mais dentes, a estrutura óssea perde todo o estímulo ali existente e o que ocorre é a reabsorção/remodelação óssea no sentido vertical e horizontal. Nos dentes adjacentes a tendência é haver migração/movimentação dentária (tanto dos dentes ao lado como os dentes da arcada contrária que faziam o contato com o dente perdido anteriormente).

Uma vez perdido, muitas vezes os pacientes consideram esta perda como pouco grave, mas o fato é que com o passar do tempo este espaço torna-se de maior complexidade para ser recuperado.

Muitas vezes quando se perde um dente, podemos recuperá-lo com a instalação imediata através de um implante dentário. Pode-se recuperar, assim, a função mastigatória com uma adequada prótese em poucos meses.

Quando há perda dentária de longa data e a recuperação é tardia do dente, muitas vezes se faz necessário alguns procedimentos cirúrgicos extras para que possamos ter um local adequado para instalação deste implante dentário (enxertos, por exemplo).

Por fim, para recuperação destes dentes ausentes ou perdidos é muito importante uma avaliação odontológica e um correto DIAGNÓSTICO através da TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA.

Scroll Up